Microconto #573

Na favela, imaginando pequenos cometas, a criança fez pedidos em uma ingênua liberdade, ao ver as balas cruzarem o céu noturno.

Microconto #572

O sol coloria o dia com o reflexo nas pipas, enquanto a noite, a lua iluminava sozinha os becos da periferia onde o colorido não existia.

Microconto #571

Com seu talento de menoscabar os textos, reduzia poeticamente os espaços entre os parágrafos e os pontos finais.

Microconto #570

De uma forma estranha, começou a se sentir estranho, e, estranhamente, a estranheza passou a ser normal.

Microconto #569

- E eu vou fazer o quê, sozinha com essa criança?
- Cuidar, ué! Foi você que disse que me amava.

Microconto #568

O casal decidiu não encarar como final.
Nem que a carne trema, nem que a mente gema e nem que os fluidos vazem.
Nunca.
Sem final é melhor.