Microconto #627

Dentro do trem um pai humilde segura seu filho sentado no colo. Os dois de chinelo e roupa puída. Os vagões passam apressados pela beirada da Marginal Pinheiros. Entre o trem e o rio, uma ciclo faixa diverte as pessoas que aproveitam o lazer do final de semana. O pai cutuca o filho, aponta envergonhado pra ciclo faixa e diz baixinho – Tá vendo aquela cerca amarela que separa a pista do rio? Aquela ali que impede que as pessoas caiam na água suja? Aquela cerquinha onde tem gente encostada descansando e aproveitando o sol? Aquela cerca ali, foi o papai que pintou. – O menino sorri. Já sabe o que quer ser quando crescer.

Microconto #626

Pelo vidro da cafeteria o menino olha a mulher. Ele segura a caixa de graxa. Ela segura a xícara de expresso. A mulher oferece um pedaço do bolo e o menino faz sinal que sim com a cabeça. A mulher levanta, paga a conta e sai. O estômago do menino ronca. Ela passa pelo pivete e diz – É só 4 e 50, entra lá e compra.

Microconto #625

Ouvi barulhos estranhos na porta da vizinha nova. Uns gemidos que se repetiam todos os dias. No começo era excitante, mas depois acabei me sentindo inferior. Falei com minha mulher de tomarmos uma atitude. Começamos a meter mais forte. Começamos a fazer mais barulho. Nada de ficar pra trás. Engraçado que nosso sexo melhorou. Os outros vizinhos começaram a olhar estranho pra gente. O nosso barulho também deve ter incomodado o pessoal. Ontem de manhã eu e minha mulher conhecemos a vizinha nova. Ela mora sozinha com um filho deficiente que geme de dor o tempo todo.

Microconto #624

Parado no ponto, o ônibus espera a multidão embarcar. Sentado no sexto banco um garoto com fone de ouvido escuta a trilha sonora da vida que ele assiste pela janela. Uma mulher, excitada, esfrega a perna na dele, levemente, mas o musical leva o prêmio essa noite.