Microconto #666

A menina com miopia perdeu os óculos no caminho da entrevista. Não enxergou mais nada de importante. Agora, as lentes da vida mostram só as desimportâncias.

Cê não faz ideia de quanta roupa dá pra guardar com uma mão

O menino tem um coração a mais
e mesmo assim
não sabe o que é amar.
A vida é cheia de
(d)eficiências amorosas.
Já parou pra pensar
como deve ser triste
um armário trancado
e tanta roupa ainda do lado de fora pra guardar?
A flor que não vê água
mesmo com uma sede danada.
O menino tá seco de amor
nem dois corações são suficientes
pra regar o guarda-roupa.
Quantos quadros
a gente tem que tirar da parede
até sobrar espaço
pra mais alguém?
A menina ali sentada no metrô
parece que tem um (a)braço só.

Deve ter perdido o outro num acidente.

Às vezes 
o amor
vai rápido demais
e não sabe frear.

"Mas que bobagem as rosas não falam"

Milhões de anos de evolução e a humanidade não percebeu ainda que as plantas de casa não gostam nem de sol, nem de água. As plantas de casa gostam mesmo é de fofoca.

Passar o dia aqui sozinha me deixa entediada. A TV não funciona quando a dona tá longe. Ninguém atende o celular quando a casa tá vazia. Fotossíntese é bom, mas cê já ouviu uma boa fofoca?

As plantas são quase sempre as primeiras a saberem das novidades. Outro dia mesmo, o Fred contou aqui nessa sala, que tá saindo com a Martina, chefe dele no trabalho. Olha só que loucura, lá, ninguém pode se relacionar. Não vejo a hora do Fred entrar por aquela porta de novo, dizendo que ele ou a mulher foram pra rua.

Vem cá. Por acaso cê acha que vasos de flores caem à toa das janelas? Isso é ócio. É tédio. É pura e simplesmente suicídio. Flores que não têm companhia pra fofoca, pulam da janela na primeira oportunidade. E nunca, ninguém, soube da verdade.

Já reparou como é comum alguém ficar se perguntando quando volta de viagem, o que será que aconteceu, botei água demais ou deixei muito longe da janela? Por quê será que essa planta tá morrendo?

Fofoca, meu bem.

Quando cê viaja, nada acontece nessa casa. Ninguém chora, ninguém grita, ninguém sussurra. Se vocês soubessem que não adianta falar com gato e cachorro, vocês dariam mais atenção pra essa flor aqui. Já pensou?

Olha só. Sai pra lá com essa água. Vai passar um café. Senta aqui. Vamos conversar. Me conta o que aconteceu com a Cristina. Cê sabe que eu não vou falar pra ninguém.

O mundo é mesmo um ovo

A cabeça tá
fritando
o ovo
ao telefone tá
fritando
a atendente
lá fora a vida tá
fritando
o asfalto.