mofo

tinha esquecido
dentro da mala
tinha uma carta
esquecida
na carta
uma ordem
há tempos
esquecida
em letras pequenas
tava escrito
amá-la
tinha esquecido

O fim é a evolução natural das coisas

Onde antes tinha barulho
agora som nenhum.
Os acontecimentos mais sérios na vida
são coisas desacontecendo
já reparou
como
perder
é a melhor forma de dar valor?
Não que melhor seja a palavra certa.
Queria palavra melhor
só que
melhor
foi o melhor
que consegui.
Você sabe que a onda tá vindo
porque a água vai embora.
A maré de lágrimas subiu. 
Imagina
um oceano na cara
imagina
no corpo só órgãos boiando
imagina
quanto menos tudo o corpo tivesse
mais nada você veria
imagina?
A cama parece maior.
Não deram frutas nessa estação.
Imagina só
o mercúrio vazou.
A gente não sabe mais
como tá o clima entre duas pessoas
e a culpa
no fim das contas
é que agora existe uma pessoa só.

procusto

a gente não nasceu pra caber.
é sapato que aperta.
é calça que não entra.
é coração menor que amor.
parece triste
mas é verdade.
não é a verdade de mentira
que passa na TV.
se bem que na TV
também passa verdade de verdade.
minha tia Vânia
aprendeu a fazer um bolo de beterraba
assistindo TV
e o bolo é de verdade.
o coração devia ter um Procusto
pra fazer o amor caber.
porque essa é a história dele
ele serra quando é grande
e estica quando é pequeno.
mas o engraçado é que
Procusto morreu de tamanho.
não cabia dentro da própria mitologia.
quando a gente é grande quer ser pequeno.
quando a gente é pequeno quer ser grande.
quando eu era pequeno eu queria ser frentista.
achava frentista legal.
ele fazia o carro do papai andar
e assim
a gente chegava no sítio da vovó
pra ver o tio Nelson tocar.
isso tudo quem fazia era o frentista.
eu gosto do cheiro da gasolina.
ele cabe no meu gosto.
quando um cheiro cabe em você
é porque ele tem o tamanho do seu nariz
ou o tamanho do seu pulmão.
mas nem tudo cabe em você.
vai ver
não caber
seja o tamanho certo.
nem o bolo de beterraba da tia Vânia
cabe na forma.
ele derrama todo
pra dentro da gente.