Mal entendido

Duas fileiras com cinco telas em preto e branco. Da esquerda pra direita, Denis olha os monitores na sala de segurança. O movimento da cabeça é sonolento. Os olhos fecham devagar, a mão amolece e o copo de café esvazia na calça. O susto é maior que a raiva. A roupa preta ameniza a mancha. A porta abre, Jackson entra sem falar, Denis aproveita que a sala não vai ficar sozinha e sai rápido pra não mostrar a cagada.

A caminho do banheiro, Denis olha as salas vazias. Os primeiros funcionários só chegam a partir das oito. Denis para, pega um copo d’água e encosta ao lado do bebedouro com cara de quem não vai aguentar esse ritmo por muito tempo. O trabalho escalonado e o curso de administração a noite, estão desregulando o sono. Mas não vai desistir. Vê na bolsa que conseguiu na faculdade a chance que precisava pra trocar a sala de segurança pela sala do financeiro. Claudio, o diretor, disse que a próxima vaga que abrir é dele. Todo mundo no departamento já percebeu os encontros de corredor. Na faculdade o pessoal também comenta sobre a pré-disposição. Só em casa que ainda não.

Claudio é casado. Pra não dar bandeira, mantêm contato com Denis por um chip pré-pago. Denis fica parado mais alguns minutos, imaginando seu futuro trabalho e projetando novos sonhos. Aproveita os minutos sozinho e pega o celular “Hj a noite n tem aula a gente podia ir naquele motel.”

Coloca o telefone no bolso. Apoia a cabeça na parede. O sono bate de novo. A mão amolece e o copo d’água esvazia no carpete. Denis pega o copo, sai sorridente e nem percebe que, distraído, digitou no celular, um número errado.

Nenhum comentário: