Em tempos de dedo na cara eu queria falar um pouco sobre árvores

Esse não é um texto partidário. Também não é um texto reclamando das manifestações. Nem um texto reclamando de você que foi pra rua ou de você que ficou na varanda. Muito menos um texto reclamando de quem escolheu mal nas eleições e resolveu pedir o impeachment ignorando a democracia.

Esse é um texto reclamando de mim. Só isso.

Uma vez, um professor me ensinou uma frase que eu pensei que nunca ia precisar usar. A frase dizia assim "A floresta é verde porque as árvores são verdes.
" O que eu peço é que você reflita pelo menos 10 segundos sobre essa frase tão óbvia antes de continuar a leitura.

Na época, essa frase não mexeu muito comigo, assim como a gente acha que nunca vai usar equação pra comprar pão, sabe? Ou usar química pra falar de seriado na TV, ou entender de física pra comentar futebol. Mas acontece que hoje essa frase ecoou na minha cabeça. Então, deixa eu falar um pouco de árvore.

Eu queria muito na vida nunca ter colado numa prova. Nunca ter roubado chocolate nas Lojas Americanas. Nunca ter passado embaixo da catraca do ônibus. Nunca ter falsificado a carteirinha de estudante. Nunca ter ficado com o troco que veio a mais. Nunca ter tirado vantagem de alguém. Nunca ter sido interesseiro. Nunca ter ignorado uma infração cometida na minha frente.

Mas não. Eu, uma árvore inocente, desde de pequeno, me deixei levar pela brisa da corrupção. O problema ético e moral do país, não está, necessariamente, no congresso. Está dentro de casa. Na frente do meu espelho. Enquanto eu continuar conivente com os meus erros, eu vou ensinar errado, vou permitir que outros errem também e vou votar em quem erra. Simples. A floresta vai continuar verde.

Hoje, analisando friamente, a minha consciência não está limpa pra reclamar da corrupção. Se eu pudesse dar um conselho pra outra árvore verde eu diria: tente melhorar a sua consciência, a do seu filho, a do seu funcionário, a da sua chefe, a do seu porteiro, a do cara que finge dormir no banco preferencial, a do cara que fura fila e a da mulher que para em cima da vaga de idoso. Uma semente de honestidade não faz mal pra ninguém. Muito menos pra mim.

Enfim. Professor, sabe de uma coisa? Eu tenho esperança que a floresta mude de cor ainda. Vai demorar um pouco, eu sei, porque pra isso eu preciso plantar árvores novas. E sabe como é, árvore não cresce de um dia pro outro.

Mesmo assim, obrigado pela metáfora.
Acabei de escrever um adubo.

Um comentário:

David Souza disse...

Corretissímo! Temos que agir com a verdade e ser honesto, se quisermos um pais não corrupto, deveriamos não agir com a esperteza de pasar a perna no próximo.

Muito bem exposto, seu texto. Parabéns!