O peito aponta pra frente. A liberdade é logo ali.

O peito. A ponta do corpo que aponta. Que te julga por julgar o corpo quando aponta. O peito. O peito que já foi mama e agora é teta sem pudor e tenta se salvar em meio a dedos que apontam e hoje julgam o seio sem anseio e com dor. O peito. O peito que faz salivar a boca ingênua de fome é o mesmo, peito, que faz babar a fome cheia de infâmia. O peito. Que nasce, cresce e desamadurece, julgando o seio como o deitar da ofensa, da censura, e, não olha mais, o peito, a mama com ternura. A mulher leva no colo um objeto de ofensa. O peito. Quem olha pensa, por quê essa ponta de fora? Que empina a estima e rebaixa a arte? O bico. Não é o que muitos pensam, o peito, é parte de um todo, do corpo, da arte, da expressão, da liberdade, é parte que a mulher, mãe, moça e menina, acha e faz. O peito. Que aponta, não recrimina, ele aponta e mostra a direção, apenas mira. Em frente. Pra onde a consciência deve seguir, sem olhar pra trás, sem achar que não pode mais. O peito. Censura? Não. Expressão.

Nenhum comentário: