quantos poemas já não morreram por felicidade?

bem-me-quer. 
morre uma flor. 
bem-me-quer. 
morre outra flor.
apesar de bonito
o amor é fúnebre. 
existe mais saudade no cemitério
do que na minha cama.
eu deito 
a noite deita
e ninguém mais deita.
sonho solitário.
bem-me-quer. 
morre mais uma flor.
a natureza pouco se importa pro meu ciclo. 
a vida fora de mim segue.
o mar
com toda sua bravura
não obedece ninguém
a não ser a lua
já disse uma vez eduardo galeano.
quantas coisas a gente já não matou
por amor?
quantos amores a natureza já não matou
por rotina?
malmequer.

Nenhum comentário: