o terremoto de fora parecia tanto com o terremoto de dentro

o copo tremia
e de repente a casa inteira tremia.
tudo tremia.
as cadeiras tremiam.
o suco escorria na mão.
as portas do armário batiam
os talheres dançavam em cima da mesa
e as panelas protestavam sozinhas na pia.
o retrato da família caiu virado pra cima
e o rachado no vidro separou as pessoas
que a vida já tinha separado.
pobre rachado
atrasado.
a janela chacoalhava.
a porta batia
mas não era ninguém.
o terremoto de fora
parecia tanto com o terremoto de dentro.
as plantas balançavam penduradas na varanda.
não sabiam o que era vento
ou desastre.
infeliz tragédia é a alienação.
aos poucos
assim
bem devagar
o silêncio foi voltando.
ao longe só alarmes de carros.
a cidade em parkinson
deixou pra trás dor
tristeza
e destruição.
o terremoto de fora
parecia tanto com o terremoto de dentro.

Nenhum comentário: