Quantas vezes você já perdeu seu cheiro em alguém?

A primeira vez que passei por ele foi na esquina da Ipiranga com a São João e eu odeio contar essa história porque a esquina é muito clichê e todo mundo acha que romantizo demais minha vida. Ele passou com fones no ouvido, uma mochila nas costas e duas baquetas invisíveis nas mãos. O que ele tava ouvindo eu não faço ideia mas, minha vida teve uma música incrível depois daquele dia. A gente passou a se cruzar várias vezes por mês apesar dele nunca reparar em mim.

No começo eu perdi apenas o foco, foi uma questão muito simples e sutil pra perceber qualquer mudança, só que não demorou muito até começar a perder outras coisas. Quando a alma se perde pela rua, o corpo vai ficando pra trás pedacinho por pedacinho também.

Hoje, já não sinto mais cheiro de nada, já não tenho mais perfume nenhum, já não tenho tato pras coisas. Ando pelas ruas com uma bengala de cego nas mãos. E apesar de não ser mais o que era no começo, toda vez que cruzo com ele eu sei que a gente tá perto. Ainda toca no meu peito a música daquele dia. Engraçado como a gente não precisa de muita coisa pra amar.

Nenhum comentário: