Microconto #173

O dente no chão,
a boca sangrada
e o choro inocente,
deixavam clara a troca do leite para o permanente.

26 comentários:

Estefani disse...

Fatos de infância. Fofo.

Me traz lembranças de como perdi meus dentes e a demora pra surgir estes permantes viu...aff!! As

famosas janelinhas que nos atormenta... hehe

Estou preste à acompanhar estes fatos com meu pequeno. Perderá dois dentinhos já.

Iasnara disse...

Hahahahhaha, só faltou a tirana mão enganando com o papinho de deixa ver se tá mole... ai pavor lembrar.

(beijo de ano novo)

Natalya Nunes disse...

Ah, ainda bem que existia a fada dos dentes para acabar com as nossas lágrimas, né Ti?

Renata de Aragão Lopes disse...

Que meigo
- o microconto;

pois o momento narrado
não me agrada em nada! (risos)

Já publiquei a respeito
o poema "DNA" no doce de lira!

Beijo.

Tiago Moralles disse...

Esfani e Renata, passaram pela mesma experiência hehe.
_

Ná, nunca entendi direito a história da fada dos dentes.
_

Ótimo ano pra nós ISA.
Saudade de ti.

Fernanda disse...

eu morria de medo de arrancar dente de leite kkk nem a fada do dente ajudava.

Silvia disse...

Tenho traumas rs,uns doidos extrairam meu dente com o método da porta,depois disso eu só deixava o dentista arrancar,não chorava,mas ficava com uma raiva,xingava a fada dos dentes e todos os antepassados dela!

Renata Luciana disse...

troca-se os dentes...troca-se a infância do 'leite' pela permanência da vida adulta no 'café'

Tiago Moralles disse...

É bem por aí pessoal.
Traumas e lembraças.

Ianê Mello disse...

E do sonho da infância para o início do despertar para a vida adulta.

Bonito.

Bjs.

Tiago Moralles disse...

Boa, uma história infantil de gente grande.

HSLO disse...

Diferente.

Luna Cortez disse...

na primeira frase achei que fosse algo violento, nadinha, rs.


feliz novo ano.

Diu Mota disse...

Saudade dos meus de leite...
inté

Talita Prates disse...

belo micro olhar
para esse momento catastrófico da infância.

rs.

bjo, Ti. macros.

Tiago Moralles disse...

Nada de violência, nada de medo, nada de receio.
Só saudade da infância representada por peças brancas provisórias.
Beijos.

renata carneiro disse...

é preciso crescer, in ou felizmente.
depende sempre do ponto de vista.

beijo!

Renata de Aragão Lopes disse...

Obrigada, Tiago,
pela gentileza
de ter lido "DNA"! : )

A Moni. disse...

...e é com o sorriso em falta que começa o fim da brincadeira...

Feliz Ano Novo, moço!

Felizes inspirações!

Claire disse...

nossa achei forte!!!!!!imaginei logo uma coisa bem violenta msmo..acho q viajei...

Felipe A. Carriço disse...

Pelo menos estes eram de leite, e não ficaram permanentemente fora da boca do rapaz.

(Como os de certa pessoa que os deixou ao lado de um bicicleta, após queda em uma ladeira.)

Tiago Moralles disse...

Obrigado por lembrar Felipe hehe.

Vivian disse...

...nossa!!

suas palavras me levaram
longe, bem longe...há um tempo
feliz e seguro onde os sorrisos
eram a moldura da cara sem medo.

naveguei...
mas acho que você me entendeu.

beijos, querido lindo!

Gessica Borges disse...

Fresco.
Na minha época, arrancavam-se os dentes com linha amarrada na porta. E se chorasse, o próximo era meu próprio irmão que puxava. HAHA

thiala carvalho disse...

recentemente fui a "mão tirana" que enganou uma pobre criança ( minha aluna) com a velha história : só quero ver se tá mole:)
sou tão cruel...
amei...
bjs

Bruno Philipppsen disse...

Poesia!