Das duas uma

Ontem foi meu aniversário.
Só que eu não costumo comemorar. Os motivos são dois. E nem um deles é por causa daquela frescura de ficar mais velho. Até gosto, pra falar a verdade. Esse negócio de ficar protelando a vida não é comigo. Acho que a gente veio no mundo pra cumprir uma missão. Mas assim mesmo, uma só. Nada de ficar resolvendo um monte de coisa, realizando um monte de sonhos e blá blá blá.

Tenho pra mim que a gente vem pra cá com uma programação feita. Num determinado momento da vida vamos realizar aquilo que já estava no script do destino e pronto. Podemos ir.

Meu tio, por exemplo, era um cara chato pra cacete. Típico ranzinza. Passou a vida inteira brigando com todo mundo. No dia da sua morte, na cama, mal, quase sem ar, a única coisa que ele conseguiu fazer, foi pedir desculpa a quem estava presente. Acho que essa era a missão dele, reconhecer que veio aqui pra ser um cara chato.

Meu vizinho, por um outro exemplo, morreu num acidente de carro. Um Palio, quatro pessoas, três voltas no ar e só ele foi embora. Por sinal, o único que tava com cinto. 25 segundos antes, o Pedro, que tava dirigindo, colocou um CD e disse pro Rafa, meu vizinho, cara, tu vai ouvir uma banda que nunca ouviu na vida. Acho que essa era a missão do Rafa.

Parece piada né? Mas não é não. É isso que eu penso. Só não tenho culpa se as missões é que são estranhas. Isso aí eu não parei pra analisar ainda.

Mas então, ontem foi meu aniversário.

Acordei bem. Cocei o saco por cima da cueca. Olhei no espelho do banheiro, lavei mal a cara e desci. Na geladeira tinha um bilhete da Ana:

A coisa mais importante na história mesquinha da humanidade é que não pararam de fazer arte antes de você nascer.
Que esse dia tenha sido marcante na sua vida como sua vida é marcante nos meus dias.
Parabéns Dani.

Gosto muito da Ana. A gente conseguiu bastante coisa antes de morar junto. O carro, apesar de amassado, foi eu que trouxe pra cá. A TV, que só pega nos canais da novela, por coincidência, foi ela que trouxe. O Fred não, ninguém trouxe, apareceu na rua sozinho. A Ana comprou coleira, ração e disse que ele ficava só até aprender se virar sozinho. Já até esqueci quando foi isso.

Engraçado, lembrei de tudo isso muito rápido. As coisas vieram na minha cabeça com uma pitada estranha de saudade. Até agora ainda tô surpreso com o bilhete da Ana. Quatro anos de namoro e ela nunca escreveu alguma coisa pra mim. E óbvio que eu também nunca li nada dela. Quando vi a mensagem, meus olhos molharam. Por um momento preferi não tentar adivinhar de qual de nós dois seria a missão.

16 comentários:

B disse...

Parabéns, afinal!

Não gosto de comemorar aniversários também, mas é pelo fato que meus amigos não costumam gostar das festas. E nem eu, pra ser sincera. Sempre dá bosta.

Anyway, desde o dia que li sua micro poesia no facebook da Deinha to te stalkando. Num sentido artístico da coisa. Não, ainda não escrevi a carta de 3 kilometros de fã. E nem planejo (mentira).

Sua narrativa lembra muito um grande amigo meu, que por algum motivo do satã não escreve com freqüência. É bom ler suas coisas. Parabéns, novamente. E dessa vez, não pelo motivo, mas pelo conteúdo.

Dan disse...

talvez a gente tenha mais de uma missão!

Parabéns brother!!

Carina B. disse...

Adorei, belo texto.

Tiago Moralles disse...

Bruna, brigado pelas palavras. Bacana saber que te fisguei pelos dedos. Sinta-se em casa aqui também.
_

Dan, valeu rapaz.
_

Microbeijos Carina.

sindro disse...

Oi
Adorei o seu blog, convido você a passar no meu blog de textos, obrigado, te espero lá.

Lija disse...

Palavras marcam muito fundo. É preciso ter cuidado.
Ótimo texto!

Ps; Mande Dani lavar o rosto direito, rapaz!

Thiago Panza Guerson disse...

Muito bom!
E parabéns!
Abraços!

Tiago Moralles disse...

Valeu Sindro e Lija.
_

Bom te ver por aqui Thiagão.

Sakana-san disse...

Eu precisei virar uma renal crônica para entender que os insetos são a minha vida e não a publicidade. Será esse o meu destino? Em tempo: parabéns por mais um ano vivo.

Taíssi Alessandra disse...

Sabe, sempre acreditei nesse lance de missão, mas acho que acima de tudo a missão de cada um é fazer deste um lugar um pouco menos ruim de se viver. Quem escreve bonito igual você, já está cumprindo essa missão. Felicidades, acho que mesmo com 2 dias de atraso sempre vale desejá-la.

Tiago Moralles disse...

Sakasan, espero que esse não seja seu destino. Espero, de verdade, que seu destino seja bem melhor que isso. Beijos.
_

Taíssi, brigado pelas palavras. E seguindo a ordem do texto, espero que esse não seja o meu destino hehehe, vai que esse é o último hehehe.

Thany disse...

Um dos melhores, por aqui. :)

Tiago Moralles disse...

Boa Thany, brigado por aparecer por aqui.

Marcela disse...

A sua missão deve ser mesmo escrever. Maravilhoso esse texto. Já sei pelo menos que a missão do meu dia está cumprida... Era entrar aqui.

Nana disse...

missão tua me fazer vir ler e saber que aniversariamos no mesmo dia.
Eu tinha vindo aqui só pra parar de seguir este blog, pois não entendia mais qual era o sentido de seguí-lo.

Desculpas pelo português em farrapos.

Eu gosto de comemorar, mas gosto mais das sutilezas e surpresas.

continuo acompanhando.
(nota mental: preciso voltar a escrever, urgente).

Tiago Moralles disse...

Boa sinceridade Nana. Espero que esse não seja sua missão hehehe. Beijo.