Vindas e idas do amor

Ontem eu parei pra lembrar do dia que você chegou.
Cê lembra?
Foi um dia meio assim, com sol dentro de casa, sabe?
Quando chove lá fora mas aqui dentro da gente é verão?
Era como se a porta da sala abrisse pr’um campo de orquídeas.
Eu nem sei se orquídea dá no campo, mas, pra mim,
era uma visão muito boa pra falar de você.
Era uma terça-feira com sabor de sábado a tarde.
Eu sei, eu sei, tem um monte de gente que prefere sexta-feira
e mais um monte de gente que prefere domingo.
Mas, sábado, pra mim, era o melhor dia-você.
Eu lembro que a vida tocava a música do amor.
E olha, eu nunca gostei muito de música.
Foi quando eu olhei no relógio e não vi hora melhor pra você chegar.
Que por mais roupas que eu tentasse colocar, no fim,
me vestir do seu sorriso era a melhor combinação.
Que eu disse, tá sentindo esse cheiro,
e você sorriu,
balançou a cabeça
dizendo que não
e eu te chamei de flor
desde então?
Lembra o dia que você chegou?
Lembra?
Pra mim, o dia que você chegou,
só não foi melhor
que o dia que você partiu.

Nenhum comentário: