O que eu disse pra ela é um pouco do que você também podia dizer

Eu falei pra ela que nem todo homem é igual. E foi exatamente nessa hora que eu percebi que tava fazendo igual todo homem. Foi nessa hora que eu percebi que, talvez, ela tivesse cansada de ouvir as mesmas coisas. Ou, simplesmente, tivesse só cansada de ouvir, sabe? Ela queria ver mais, sentir mais, decidir mais. Foi nessa hora que eu percebi que meu papel de homem tava cobrindo um pouco o papel dela de mulher.

Nos últimos dias ela chegou a me cobrar novidades. E eu errei, óbvio, dei presentes, flores, viagens e mais um monte de coisa que não serve pra alma. No fundo, ela só queria um pouco mais de liberdade e um pouco mais de confiança. As mulheres não são difíceis de entender. A gente é que anda com uma preguiça danada de tentar.

Acho que um dos maiores problemas das pessoas, ultimamente, é a falta de transparência, nas relações e na vida. E aqui, não é exclusividade minha, ou sua. As pessoas, no geral, podiam ser um pouco mais honestas. Não é errado não querer. Não é porque você vive a dois, a três ou a sete, que os jeitos vão ser os mesmos. Cada um pode pegar um caminho e se encontrar no final. E isso não deixa de ser amor, entende?

As relações são uma via de mão dupla que tão cada dia mais se unilaterizando. O excesso de insistência, a cobrança errada, a obsessão pela minha vontade e o descaso com suas escolhas são alguns dos culpados. Queria te pedir desculpa. Por mim e pelos outros. Mas juro, andei reparando e vou mudar meu jeito de ser. E mostrar pra você e pra mais um monte de gente como liberdade é bem diferente de abrir mão. Você pode experimentar novos gostos e, mesmo assim, continuar gostando dos mesmos sabores. Vai lá.

Nenhum comentário: