Ainda sei imitar sua letra

Falei durante horas com o objeto no chão que esperou meu monólogo acabar. Olhar praquilo me faz pensar em você toda vez. Não sei se é a cor, o tamanho ou o cheiro de sei lá o que. Mas, ver aquilo só me traz lembranças suas. Lembranças nossas, na verdade. Tem pó pela casa. Tem pó na mesa. Tem pó pelas coisas. Tem pó em mim. Não escrevo nada faz tempo. Perder você me tirou a produção. Queria organizar a casa, seguir em frente e, quem sabe, superar essa ida. Todas as histórias que contei antes da carta tinham vida, todas as histórias que não contei depois da carta têm morte. Sou agora um escritor sem alma. Olhar aquela folha de passado no chão com palavras suas impressas me fez pensar que, de todas as histórias lacrimáveis que eu já escrevi, uma carta de suicídio não se compara a nenhuma delas. Gostar em excesso de você não imaginei que levaria a isso. Te amarrar foi um jeito que achei pra te segurar. Ninguém desconfiou que te matei. Eu amava demais pra duvidarem.

Nenhum comentário: