Amizades são inspirações que a gente pode abraçar

Dia desses reencontrei amigos de infância. A gente riu de uns erros do passado e conversou sobre lembranças. Esses amigos viram muitas das minhas memórias nascerem. Aquelas memórias de joelho ralado, campinho de terra e bola no portão, sabe?

O lugar onde cresci não era um lugar muito seguro. Tinha a molecada do fundão que cortava a pipa da gente. Tinha a molecada da rua de trás que jogava a bicicleta na nossa frente. Um mundo de pequenos problemas cercado por problemas grandes de verdade.

A violência sempre teve lá, rodando as noites de esconde-esconde. Do lado de fora da janela quando a gente jogava vídeo-game na sala. No coração da mãe quando a gente demorava pra voltar. E mesmo assim, por mais que a violência tenha batido na porta, oferecido chances ou facilitado o futuro; a gente preferiu rodar pião.

Esse dia que reencontrei meus amigos, pude ver como todo mundo tá bem. Como todo mundo seguiu descente. Como crescemos por dentro, por fora e, principalmente, pra frente. Esse dia me fez acreditar que se fosse possível, eu nasceria mais uma vez, passaria por tudo isso, só pra chegar até aqui e abraçar, de novo, cada um de vocês.

Nenhum comentário: