Microconto #657

A fé escorre pelos ralos dedos da senhora que ora por horas esperando que a esperança não morra.
No fim, morre a fé, a esperança e a senhora.
Mas não morre as horas.

Nenhum comentário: