Vício

Tudo começou como uma brincadeira. Aos poucos foi criando cor e forma, literalmente, viciou como qualquer droga ou entorpecente, sem ao menos me dar uma chance de reação. Não sei mais como sair, não sei mais o que fazer, os amigos não me ouvem, pelo contrário, tenho alguns que ainda me incentivam, me dão dicas de como aprimorar e me aperfeiçoar, não sei mais onde vou parar.
.
Quando pensei em escrever este Blog, queria alguma coisa para poder jogar o estresse fora, tirar o que tinha dentro de mim pelo menos, achei que seria uma forma de passar o tempo. Mas, não está sendo bem assim, ele está consumindo o meu tempo, criou vida, parece um filho que tem de ser alimentado, sinto-me na obrigação de dar o alimento, de saciar sua fome de idéias e ao mesmo tempo me sinto bem em fazer isso, sou o pai dessas crianças chamadas letras, que vão crescendo e se desenvolvendo, viram palavras maduras em sua adolescência, constroem frases em sua maturidade e formam idéias quando atingem seu nível mais elevado de crescimento.
.
Vendo por esse lado, não espero parar mesmo. Se todas as drogas do mundo fizessem bem como o alucinógeno da escrita, no mínimo, teríamos várias overdoses literárias no país o que seria com certeza, um ponto alto para o desenvolvimento, para um crescimento sustentável e para a própria evolução do conhecimento humano, então, você que não tem o hábito de ler ou ao menos escrever, experimente, vai ver como é viciante.

Um comentário:

Felipe A. Carriço disse...

Realmente, é gostoso ver nossas idéias crescendo e amadurecendo no papel ou, como neste caso, na tela do computador.
No que depender dos seus amigos tenho certeza que em breve você terá que usar óculos de tanto postar suas "crias" no Penates.

Um grande abraço.
Felipe