Microconto #367

Após a captura, o navio pirata dispôs a prancha.
A carne destroçada pelos tubarões não era nada comparada à tortura de bordo.

2 comentários:

Carina B. disse...

O pensamento que segura o pulo dói mais do que a queda...

Tiago Moralles disse...

Interessante.