Microconto #376

Por mais que tentasse viajar no mundo imaginário, a dor sempre o jogava de volta àquela realidade vegetativa da cama.

5 comentários:

Michele P. disse...

A dor é um monte quase intransponível.

Um abraço e bom FDS, Tiago!

Anônimo disse...

Isso me lembra aquele filme "Mar Adentro".
Recomendo, por sinal.

Diu Mota disse...

A imaginação é assim mesmo.Por pouco nos engana.

Barbara C disse...

Realidade vegetativa, dolorosa, mas refletitiva. Nessas horas é que aparecem os pedidos de perdão, as lembranças boas, e tudo mais.


bj

Gabriela Marques disse...

Quando começo a acreditar que a vida não vale a pena, vou ao hospital, acabo vendo uma porção de gente que daria até o que não se tem, para viver; pessoas que aprenderam de uma forma dolorida, que a vida só não é proveitosa pra quem não sabe viver.