À Deriva

.
.
Engraçado como o nome do filme me trouxe tantos significados.

Acho que à deriva ficaram as interpretações. Explico. Nada de ruim, mas é interessante como a novata Filipa (Laura Neiva) e o experiente Mathias (Vincent Cassel) foram sugados em cena por Clarice (Débora Bloch), a primeira justamente por ser estreante e o segundo pelo esforço em representar em português perto de um dinossauro da dramaturgia.

À deriva ficaram também algumas cenas. A sensação de repetição deixou o filme um pouco cansativo em alguns momentos. Creio ainda que se fosse uma produção somente francesa, alguns mais conservadores não ousariam falar isso.

À deriva ficou o meu palpite sobre o desenrolar da trama. Apostava minhas fichas em um final clichê. Não errei tanto, mas fui surpreendido em detalhes por Heitor Dhalia, que assim como em O Cheiro do Ralo, conseguiu me deixar na cadeira até praticamente o fim dos créditos. Diferente de algumas pessoas na sala que saíram ainda durante o filme. Ouso dizer novamente que se fosse uma produção francesa isso não aconteceria.

Ah, ainda à deriva, ficou todo meu olhar sobre o filme, que entrei na sala achando que veria um drama sobre uma família em atos de separação, com situações sofridas e todas consequências mais que são de direito. E novamente fui surpreendido, o filme é um drama psicológico sobre os últimos momentos de um casamento, mas a dor e a profundidade dos acontecimentos são de total ponto de vista de Filipa, a jovem que ao mesmo tempo em que descobre a saída da adolescente com experiências, amores, corpo, provocações e prazeres, descobre também a dura entrada no mundo adulto.

Sem contar a trilha que em alguns momentos me deixou em uma deriva sensitiva. Onde em cenas de pós discussão e de climas pesados a trilha assumia e confundia em minha cabeça, sons parecidos a respiradores de ar em hospitais, quem sabe uma anunciação para os últimos momentos de vida daquele relacionamento.

Ouso dizer, por último, que se fosse uma produção francesa, o contexto e a qualidade do filme não seriam suficientes pra me fazer escrever essa crítica.

Obrigado ao cinema brasileiro por ter me permitido resgatar mais um filme que boiava à deriva em meio a sangue, violência, nordeste, pobreza e periferia.

5 comentários:

Gordinha disse...

Me senti meio que à deriva neste post!
Não conta pra ninguém eu já saí do cinema na metade de um filme francês, rsrsr! E nem lembro o nome do filme, de tão bom que era!

Tiago F. Moralles disse...

Tudo bem, tá todo mundo à deriva.
Mas de francês aqui só o Cassel e a parceria, o resto é bem brasileiro, vale a pena.

Iasnara disse...

Tá, tbm to à deriva. É que o cinema anda ausente. Posso dizer que não gosto da Débora? Nada pessoal. Talvez deixaria de ver algum filme por ela, se não fosse uma produção somente francesa.

;)

Tiago F. Moralles disse...

Eu também não gosto muito dela mas, foi uma boa interpretação no filme.

Ah, e o dinossauro foi sacanagem com a idade hehehe.

Pattricia disse...

Tiago...Gostei muito do filme e escrevi a respeito no link

http://pitombo.wordpress.com/o-que-vi-o-que-quero-ver-o-que-nao-vou-ver/

Concordo com você,sobre a produção Brasileira e adorei não ter ler as legendas no filme...

Abçs, Pattricia