Não vou me alongar

Texto publicado originalmente em Caixa de Histórias


A produção atual de conteúdo versus a falta de tempo é uma batalha que vem fazendo vítimas e mais vítimas a cada dia. É possível afirmar que passamos daquele momento do discurso palestrante sobre ”Como administrar seu tempo” e entramos numa nova fase, a de “O que colocar no seu tempo”.


O problema hoje não é mais arrumar um espaço em sua rotina, afinal ela não vai ter um espaço mesmo, então, desista disso. A prioridade é como escolher o que vai ocupá-la. Quer ler um livro? Abra mão de um filme. Quer ver um filme? Abra mão da academia. Quer ir à academia? Abra mão do sono. E assim, as necessidades diárias vão sendo revezadas.


O que me fez escrever sobre isso, foi uma discussão iniciada no Twitter há alguns dias. Tinha acabado de ler Crime e Castigo do Dostoievski, que por sinal levei um bom tempo, e fiz um comentário do tipo “Crime e Castigo é uma análise ótima e pertinente do comportamento humano, mas com páginas em excesso fora de sua época literária”. Meu objetivo não era desmerecer o trabalho, e sim, gerar uma reflexão. Pense comigo, com a velocidade que as coisas acontecem e com o volume de informação a qual somos submetidos, não é todo mundo que consegue pegar um livro, por exemplo, de 600 páginas e consumi-lo, sem deixar de lado outras opções de atividades.


Outra inferência externa que pode ser levada em consideração é o comportamento da sociedade. O consumismo e a interatividade são duas características pertinentes que nos levam a outras duas: a busca acelerada em ter alguma coisa, te traz a ansiedade, enquanto a busca acelerada em fazer parte de alguma coisa, te traz o imediatismo.


Ambas as atitudes geram pessoas desesperadas pelo todo. Queremos ver tudo, ler tudo, saber de tudo, falar de tudo, fazer de tudo e ter tudo. Aqui entramos novamente na questão “administração de tempo”. A quantidade de desejos realizáveis, não é mais compatível com o espaço ocupável do seu dia. Logo, seus desejos precisam ser realocados. Nada de arrumar um tempo, hoje, o máximo que você consegue, é trocar uma coisa pela outra.


Eu sei que o assunto ainda dá pé, mas prometi não me alongar. Afinal, provavelmente você teve que trocar alguma coisa importante pra poder ler isso até aqui.

37 comentários:

Luciana P. disse...

Esse texto me fez lembrar de um artigo que escrevi uma vez que se chamava "Velozes e Furiosos". E tratava justamente da mesma questão abordada aqui. E tem toda razão, essa coisa de arranjar tempo é papo furado, o que fazemos é trocar uma coisa por outra e olhe lá quando conseguimos.

Ótima reflexão!

Beijos

Tiago Moralles disse...

Lu, realmente é uma ótima discussão que tenho certeza que iria muito mais longe do que o nosso tempo de hoje permitiria hehe.
Microbeijo.

quandoeumechamarsaudade disse...

Ti,

O assunto vai além mesmo. E me pareçe que as coisas só tendem a piorar, por exemplo, aconteceu comigo hoje,ou eu lia um livro ou eu escutava as lições de inglês. O tempo está praticamente extinto.

Ótimo textp. =)

Beijo.

Rodrigo Garcia disse...

Li o post em 4 tempos, mais 1 para comentar. #trocasfragmentadas

Tiago Moralles disse...

Obrigado por mais essas duas trocas.

Iasnara disse...

Compartilho a sensação. Nossa virtual.idade torna tédio tudo que não vier e for imediato. Aquela vida enlatada agora (mais do que nunca) em versão instantânea. Solução? Apostar na coragem, afinal, encarar 600 páginas hoje em dia é pra poucos.

bjo.

Lara Amaral disse...

Gostei do texto e concordo com as ideias que vc expôs.

Abraço.

Fouad Talal disse...

Ou então nós é que estamos fora da época...
O livro vai ficar,
nós passaremos e
o Mário Quintana passarinho

[]`s

Tiago Moralles disse...

Será que passaremos?
Ainda acho que quando acabar, acaba tudo.

Bruno Philippsen disse...

Ótima reflexão! O pessoal meio fundamentalista literato não deve ter gostado muito de sua afirmação...
Abraço!

Tiago Moralles disse...

Estamos abertos a brigas e discussões hehe.
Valeu Brunão.

Thiara Pagani disse...

Blog muito bom!
Administrar o tempo, colocar no tempo, imediatismo, substituir, trocar... Fico pensando, que proporções isso vai tomar futuramente?

Tiago Moralles disse...

Proporções ou desproporções né Thiara?

J. disse...

E queremos tudo ao mesmo tempo.
Eu me sinto "overwhelmed" pelo tempo. O tempo todo.

Beijo, Tiago.

Fê Colcerniani Justo disse...

Que bom ver um texto seu mais longo. Adorei! Super concordo com vc... temos sempre que abrir mão de alguma coisa para ter outra. Eu por ex. vou abrir mão do sono para fazer academia... e para ler um livro de 600 páginas tenho que aceitar ler no ônibus e ter muitos enjoos... Enfim.... coisas dessa nossa vida corrida.... Tenso! Adorei viu? Bjs e boa semana!

Carol Lina disse...

A quantidade de desejos realizáveis é também incompatível com o quanto eu posso trabalhar pare ter dinheiro suficiente para ter tudo o que gostaria!
Com relação aos microcontos, acho que não é falta de tempo, mas uma incrível capacidade de condensar as histórias!

Tiago Moralles disse...

Valeu J. e Fê.
Carol, só foi pra fazer um média hehe.

Camila de Souza disse...

Troquei a apostila de química pelo Penates. Saí ganhando.

Tiago Moralles disse...

Boa Camila hehe.

Tiago Moralles disse...

Droga, minha mãe disse que meu irmão pode ver meu comentário,
"Ruim Camila, nunca mais faça isso. Estudo sempre em primeiro lugar" ;)

Sylvia Araujo disse...

É bem isso mesmo. E dá um desespero saber que não vou conseguir ler nem um milionésimo dos livros que eu quero, e na mesma proporção provavelmente ficarão os filmes, as peças, os shows... é sempre isso, deixar de fazer uma coisa para fazer outra, num grande jogo de prioridades, onde quase tudo ocupa os primeiros lugares. Mas vamos que vamos. Sempre em frente, para o alto e avante, etc e tal.

Beijomeupravocê

Erica Ferro disse...

O ruim é quando você não sabe o que escolher e acaba não fazendo merda nenhuma. Perdeu-se mais um dia.

Obrigada pela visita.

ila fox disse...

Ótimo post Tiago!
Parece que se não usarmos o dia inteiramente, de maneira útil, foi um dia perdido. Nos esquecemos da arte do ócio criativo.

Tiago Moralles disse...

Sylvia, boa definição "jogo de prioridades", gostei.
_

Erica, isso é realmente horrível.
_

Ila, querida, gostosa visita.
Microbeijos.

Vere disse...

E eu q achava q estava num ritmo meio lento, sem conseguir fazer todas as coisas que quero durante o dia... ler seu texto foi muito bom para conter a ansiedade de querer tudo agora e já e chutar longe o sentimento de inutilidade ao fim do dia quando vc percebe q não conseguiu fazer tudo o que "precisava".

Tiago Moralles disse...

Bom saber Vere. Não somos os únicos hehe.

Matéria Escura disse...

Essa questão q você traz é um negócio q eu também tenho pensado.

Esse estilo de vida contemporâneo é realmente esquizofrênico.

Gostaria de comentar sobre Crime e castigo. Entendi seu ponto. Mas eu penso que este livro foi escrito num outro contexto em que, falando de modo bem simples, havia espaço para esse tipo de literatura, altamente descritiva e longa, características as quais eram necessárias para a literatura da época.
O problema de ler Crime e Castigo hoje ou qualquer outra coisa de Dostoiévski, ou Tolstoi, etc não está nesses livros ou nesses caras, mas sim, o problema está neste ritmo de vida da contemporaneidade.
Realmente, ler esses caras hoje é uma tarefa difícil, mas, como disse, acho q o problema é outro.

Também percebo essa sede de informação/conhecimento que as pessoas tem hoje em dia. Todo mundo quer ser multimidia hoje: ler tudo, ouvir tudo, assistir tudo, escrever tudo blah blah blah... Isso realmente acontece. O que acho que deveriamos fazer é parar e pensar se toda essa informação/conhecimento são realmente necessários para nossa vida, ou se somente queremos botar pose de pessoas "cultas e eruditas."


ryan.

Tiago Moralles disse...

Ótimo comentário Ryan, totalmente pertinente, acho que foi exatamente o que pensei em dizer quando escrevi: “Crime e Castigo é uma análise ótima e pertinente do comportamento humano, mas com páginas em excesso fora de sua época literária”.
Obrigado por participar e trocar alguma coisa do seu tempo.
Microabraço.

Natalya Nunes disse...

Não li o livro em questão, mas assim como qualquer pessoa do planeta terra, vivo esses dilemas de deixar de fazer uma coisa pra fazer outra... é inevitável...

Eu demoro de vez em quando, mas não abro mão de ler o Penates, viu Tiiii...
Não é em qualquer blog que a gente encontra um texto bom assim...

Beijos

V i h disse...

Não comentei antes porque apenas encontrei uma troca de tempo para a leitura ^^

Já vi pessoas "viciadas" em informação como o Ryan comentou, e realmente me assusto um pouco com elas, por uma grande parcela de momentos que valorizo precisam ser vividos em câmera lenta.

Matéria Escura disse...

Ah sim.
Acho q entendi errado quando li pela primeira vez seu texto.
É isso q dá quando as pessoas lêem com pressa as coisas: elas acabam não percebendo sutilezas e nuances, e acabam criando um entendimento equivocado sobre o q elas leram.

E só pra deixar claro: reconheço q sofro d todos esses sintomas discutidos até agora. tem q ser muito forte pra sustentar um comportamento de resistência a todas essas tendências loucas da atualidade contemporânea de hoje em dia.

Mas agora entendi melhor seu ponto,
tá tudo certo.
Até.

Tiago Moralles disse...

Que isso Ryan, nem precisava retratar, tem toda razão.
Microabraço pra ti, somos dois sofredores hehe.
_

Naty, valeu pelo carinho.
_

Vih, que bom que conseguiu uma troca de tempo hehe.

Daniela Filipini disse...

E todo tempo do mundo parece tão pequeno, tão insuficiente...
E, sim, eu tive que trocar a leitura aqui por outra coisa.. Rsrs

Tiago Moralles disse...

Dani, espero que tenha compensado.
Microbeijo.

[ joe ] disse...

Guri, você é muito inteligente! E sim, eu tive que trocar outras páginas pelo teu blog, mas olha como valeu a pena!
Ah, queria contar que ontem senti saudades de você. Olha só! Claro que isso não é nada perto de toda a saudade que you-know-who sente. e claro que são níveis e propósitos diferentes de saudade, mas enfim.
até logo, se cuida.

[j]

Tiago Moralles disse...

Wando, feliz por dois motivos, pelo elogio e pela saudade.
Sempre bom você por aqui.
Microabraço pra ti, se cuida.

Felipe A. Carriço disse...

Tempo, escolhas e obrigações... Sempre eles.