Microconto #322

O corpo velado ouviu todas as confissões de adultério.
Que culpa tinha ele, se aquele era o único momento que, enfim, ela calou?

11 comentários:

dizcorra disse...

Essas matracas. xD

Boa!

Aproveitando.

Feliz aniversáriO!

Abraços!

Lucão disse...

heheheheh
maritacas no arroz

mto bom, Tiago!

Dan disse...

morreu pela boca?
devia falar horrores!

Lúu Almeida disse...

Será que ela realmente se calou ou ele quem não quer mais ouvir?

Flores!

gabriela marques. disse...

Ficou quieta, mas a alma do arrependimento não calou. Será?

Adoro seus microcontos. Faz tempinho que não venho aqui...

Pedro disse...

Finalmente um descanso aos ouvidos...

Angélica Lins disse...

Dia estranho pra falar de morte, que tal falarmos de VIDA?

Feliz aniversário meu amigo!

Beijo florido!

Tiago Moralles disse...

Brigado a todos pelas visitas, cometários e vibrações.

Marcelo R. Rezende disse...

Nenhuma, realmente, rs.

Você arrasa.

Rodrigo Cunha disse...

Me sinto meio mal quando leio uma coisa dessas e de primeira reação deixo escapar uma risada... huauhahua Abração!

Renata de Aragão Lopes disse...

... ou o único momento
em que, enfim,
ele teve coragem de admitir?