Microconto #145

A aflição trazia melodia,
ao coração dos taciturnos,
e assim era escrita e cantada,
fundo,
fundo,
fundo.

15 comentários:

Marcelo Mayer disse...

só acompanhamento, nenhum canto

Estefani disse...

Ah, queria eu poder escrever e cantar minhas aflições...:)

Esta tocou lá no fundo.

Gordinha disse...

E a harmonia é sempre lembrada na batida do coração dos desesperados.

Belo!
=D

Lara Amaral disse...

Bota fundo nisso...
Abraço, Tiago.

Tiago F. Moralles disse...

É gostoso ver as pessoas ficarem felizes com as tristezas.

Gordinha disse...

Porque "Afinal, amar ao próximo é tão de modé"

Gessica Borges disse...

Sei bem como é isso. Gabriel Garcia Marques que o diga.

Iasnara disse...

é como dizem: poetas não morrem, visitam o inferno, pra nós levar aos céus.

Felipe A. Carriço disse...

Ecos da alma...

Tiago F. Moralles disse...

Viva a sociedade dos poetas mortos.

Silvia disse...

A aflição do dia não lhe trouxe melodia...
Mergulhou
Fundo,
Fundo,
Fundo na misantropia!

meumauhumorimperando...

Iasnara disse...

nossa, chama o revisor! só agora vi o erro. vergonha!

Tiago F. Moralles disse...

Relaxa babe.

A Moni. disse...

Canção aflita, jamais ficaria na superfície do riso-amarelo...

Renata de Aragão Lopes disse...

Microconto poético!