O livro de Gênesis, segundo Antubal

É dito de uma vila, onde um camponês humilde cuidava de sua casa e de um filho calado. Tanto pai, como filho e mais toda a vila, frequentavam a pequena igreja que coordenava a vivência no local. O filho, conhecido como Antubal, parecia ser o único na região que não demonstrava com afinco, o amor pela santidade aclamada na capela.

Não só para o pai, mas para todos os moradores, começava a ser nítida essa antipatia gerada pela igreja no coração do menino. Os comentários cresciam, e a revolta chegara ao pároco, que mesmo sem saber o porquê, já alimentava, contraditoriamente as leis da igreja, repugnância pelo jovem.

A pressão trazendo cada vez mais constrangimento ao camponês, fez com que marcasse um encontro do filho com o comandante religioso. Local definido e tema acertado, o menino receberia todas as ordens apostólicas, e de uma vez por todas, faria parte da igreja.

O relato a seguir pode ter sofrido algumas mudanças com o passar do tempo, entre palavras e expressões, mas é exatamente o que saiu do encontro, a versão de Antubal sobre a origem.

Explica-se no livro escrito à várias mãos, que a origem do homem veio por intermédio de um casal conhecido, ele por Adão, e ela por Eva. Opostamente aos mais entendidos da ciência não divina, que atestam a origem do homem como a evolução de um animal que ganhou o nome de macaco não se sabe quando.

O que Antubal disse ao cervo religioso, foi a mais louca das blasfêmias já ouvidas desde a origem desta história. Disse, que na verdade, ambas as mentes defendem a mesma coisa sem saber. Afirmou que Adão e Eva eram macacos, e por serem animais, tem confirmado e explicado o motivo que permitiu o cruzamento e assim a reprodução entre os próprios descendentes.

Não parou por aí, disse também que a metáfora de terem visto que estavam nus, diz respeito aos anos de evolução das espécies e consequentemente da perda dos pelos do corpo. E que sendo assim, Deus, em sua infinita glória e tendo até hoje nunca dado as caras, e, por ter feito de Adão e Eva sua imagem e semelhança, torna-se também, um grande macaco.

Ao término da confissão, o padre, desconjurado pela invenção frustrante de Antubal, veio a falecer de morte morrida. Jogou-se da torre da capela, não suportando ouvir aquilo. Antubal, chocado com a credulidade e compaixão do velho sacerdote, converteu-se imediatamente ao mundo religioso e abandonou de uma vez por todas sua tese hipotética.

Mas, dizem, até meados dos dias que se escreve esta história, que o pobre homem da fé, ainda vaga pelas redondezas da porta do céu, justamente por não saber se comunicar com os primatas.

11 comentários:

Bruna. disse...

só gostei.

Mai disse...

Uma invenção frustrante, um suicídio e falhas de comunicação com primatas.
Coisa de gênese ou de caos, não importa. Você conseguiu me prender, até chegar no apocalipse do texto.

De verdade eu gostei.
abraços

Tiago Moralles disse...

Valeu Mai.
_

Bru, vai dizer que te ofendeu religiosamente?

Rodrigo Garcia disse...

Antubal só não deveria ter se convertido, sua versão foi muito bem elaborada rsrsrsr

Abraços

Tiago Moralles disse...

Só converti ele pra fazer um contra ponto com o padre hehe.

Luna Sanchez disse...

Um visionário...rs

ℓυηα

[ joe ] disse...

Você tinha que estar ganhando uma grana pra escrever coisas tão elaboradas. Eu adorei o texto, só tolero esse tema quando é tratado assim, fora da caixa. Parabéns, seu guri.
Abraço.

[j]

Tiago Moralles disse...

Ow Joe meu velho, obrigado pelas palavras, grande abraço.

Estefani disse...

Muito bom Ti! Gostei. E não se preocupe não me ofende em nada religiosamente...rs

Beijaço =*

Izabela e Julia disse...

adoorei o textoo... nunca tinha pensado na crianção por esse ângulo xD

Tiago Moralles disse...

Fã, fiquei mais tranquilo agora hehe.
_

Meninas, obrigado pela visita.