Cirque du Soleil

.

.
Há um tempo, nem muito nem pouco; recebi uma indicação de leitura por uma amiga. Havia me dito que era um livro interessante, que falava sobre a criatividade das pessoas e as diferentes formas de empregá-la e exercitá-la; gosto de ler, então receber uma indicação serve facilmente como combustível.
.
Se tem uma coisa que não me atrai muito é livro de auto-ajuda, não que eu nunca tenha lido, pelo contrário, acho que pra falar de alguma coisa precisamos e devemos conhecer primeiro (aquela velha história que sua mãe fala, “como você não gosta disso se nunca provou?”), tenho costume de ler muita coisa (quando eu digo muita, entenda variedade e não quantidade), até bula de remédio é absorvida.
.
Tá, vamos lá. Quando comecei a leitura de Cirque du Soleil – A Reinvenção do Espetáculo não sabia ao certo se era um livro de auto-ajuda, se era uma narração de alguém que se aproveitou de uma oportunidade na vida para ganhar dinheiro ou só mais um passatempo. A verdade é que no decorrer das páginas, o relato traz a tona uma variação de experiências e acontecimentos vividos por um personagem que a beira do caos profissional começa a enxergar novas possibilidades.
.
Não gosto muito de falar sobre as histórias de livros e filmes (mentira, estou falando isso para me controlar psicologicamente, pois se começo acabo contanto tudo), prefiro que as pessoas leiam e vejam, gosto sim de dar a minha opinião. No Cirque, as lições apresentadas servem de bagagem tanto pessoal como profissionalmente, tudo que é tratado no livro pode ser levado como algo a mais, pode ser posto em prática na vida de qualquer um e preservadas as devidas proporções pode ser empregado em qualquer situação.
.
Confesso que eu mesmo tirei algumas coisas boas, o estímulo para a criatividade e a “injeção de ânimo” que é sempre bem vinda, são alguns exemplos. Foi assim que me atentei, com todo seu conjunto de metáforas bem elaboradas, frases modelos, lições de vida com início, meio e fim, o livro lembra muito aqueles de auto-ajuda que eu não gosto de ler, fato é que quando cheguei ao final de uma deliciosa leitura que me consumiu até as últimas páginas com imensa atenção e digo que por vezes até com risos, percebi uma coisa, ou ele está bem camuflado ou eu preciso mudar alguns conceitos como o próprio livro sugere “Um novo jeito de pensar”.
.
Dica do assunto (Bia Ramsthaler)

4 comentários:

Agatha disse...

de auto-ajuda ou não, acho que a gente sempre aprender se souber filtrar as informações e isso fizer sentido para o seu momento.

um amigo meu que odeia auto-ajuda, se encontrou no filme "o segredo".

bjo!

Nayara Diniz disse...

Vou ser sincera, em nada me agrada livros em que o titulo pode ser "Como conseguir?", "Por que?", e falo o meu receio de iniciar uma leitura de uma auto-ajuda, não que eu não precise dessa "injeção de animo", mas não quero me decepcionar e parar de ler na pagina 30, mas fica uma boa dica para eu me livrar desse esteriotipo.
Uma infomação fashionista, um dos temas que sugeri para o um trabalho de conclusão de curso do Senac era sobre o Cirque du Soleill.

Beijo
Nayara

-=Tiago Fidelis Moralles=- disse...

Se der lê sim, é bem legal.
Beijo.

-=Tiago Fidelis Moralles=- disse...

E por falar em Auto-ajuda, a Agatha deu o exemplo do século "O Segredo", fala a verdade hehe.
Beijos.